sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Rosarium Philosophorum

Da pétala
o contorno não reduz
a pétala ao íntimo.
No íntimo
a pétala nada é,é apenas a possibilidade
da flor ou mais,
seu verossímil.
O mínimo da flor
não é sua vontade
de existir,a existência,
mas o impresso
na maquete da retina.

Da rosa
a fonte
é o seu existir,
o ousar acontecer,
a ausência
de enxame,do musgo,
o pulsar
da seiva,o fluxo
desprovido de outro
acontecimento que não
ir além
do eterno
fato de ser
A rosa.

A mística rosa
ao alcance
do olho,do peito,do centro,
do vórtice das coisas
inencontradas,
o místico encontro.
Um modo outro
de simplesmente
Saber.

(foto; Google imagens).



0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial