terça-feira, 6 de setembro de 2016

UNIDADE

Pedras e sóis
recolho
num único gesto
concedendo
ao fulgor e ao opaco
o mesmo toque.
Cada digital
é tão antiga
que reconhecem,
os meus dedos,
o nome de todas as coisas,
ainda que mudas.
Pedras e sóis
recolho
num só ato,
sem desfigurar
radiância e fortuito;
minha mão é hábil
para os afrescos
e a arte rupestre.
Pedras e sóis
recolho
e contemplo
o que ninguém ainda desvendou
mas se coaduna
e vai se amalgamando
num só cântico.

(foto: Google imagens)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial