sábado, 3 de setembro de 2016

ROSA SAGUNA,ROSA NIRGUNA

Vejo a rosa sattvica
em exata desmedida
de pétalas e silêncio,
única;
desprovida de improviso,
quase o oposto
duma imagem.
Um modo outro
de fazer-se vista,
inencontrada,
num desconcerto de rizoma,
vívida.
Presente e isenta.
Um modo outro
de expor-se,intocada,
incolor ao tato,
autêntica.
Uma rosa desprovida,
o entorno,
tornando viável
a rosa,o eterno
conceito do ilógico,
razão original do Impossível.
Vejo a rosa,
o seu ato; dispo-me.
Não para ser visto,
mas imitação: enigma.

(foto: Google imagens)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial