terça-feira, 6 de setembro de 2016

VISÃO

Esta laranja,
réstia feito carne
no prisma da árvore,
naco do nada
no despir do silêncio,
é sumo
do inatingível,
licor de tudo
no intestino do aroma,
arrebatamento
de luz
nas trevas do susto,
amor que atinge
o átimo do irrevelado,
cor e fruto
no apalpar
do invisível
a prometer-se
nu
em concêntrico
de enigmas,
corpo de sol
ao alcance
das digitais do Mistério.

(foto: Google imagens)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial