domingo, 11 de setembro de 2016

INFINITO

Meu olho atinge o Infinito
vendo o que ninguém mais vê.
A pálpebra do abismo se desloca,
a retina do silêncio vibra,
a circunferência da pupila se dilata,
nada mais é o que havia sido;
estendendo-se aos domínios do numinoso,
num gesto tão amplo
que desfaz o estranho e a tudo torna
aquém do estrangeiro.
Meu olho surpreende
o mais antigo Mistério,
contempla a Forma
que vai além de todas as formas,
sonha e suspira
por um ainda mais além
e alcança o âmago
das coisas inencontradas.
Então retorna
e mais ainda descreve
ao Sonho
o que ele nunca ousou.

(foto: Google imagens)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial