sexta-feira, 17 de abril de 2015

Poema: Cidade dos Mortos

Além do Malebolge,
abaixo,
o antro dos mortos,
da esterqueira,
o fundo.
Comem vômito
os danados,
pela boca defecam
a treva
onde o podre gesta
o ódio,o sórdido.
Não está condenada
a alma das bestas:
não há alma.
Tornou-se o pútrido
um paraíso outro.


(ilustração: Gustave Doré)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial