sexta-feira, 27 de março de 2015

Poema: SOL

A irrecuperável
estranheza
dos besouros
dilacera
o cerne da infância.

Ogros intrusos
na delicada relva
trincando
a pequenez dos ouvidos.

Rumo ao sol,
o escaravelho rola
o coração do pesadelo.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial