segunda-feira, 16 de março de 2015

A ARTE DA ESCRITA

        A arte da escrita é paradoxal.  O escritor é pai e mãe de sua obra. No entanto, de um certo modo, o livro nasce por partenogênese, tem vida própria.
       Escrever é um ato de sacrifício e de iluminação. Exige trabalho e entrega ao mesmo tempo. É mental e vai além da mente.
       É preciso estar inteiramente num livro para que ele ganhe existência.  Um mergulho nas profundezas do mar sem fim.  E no entanto, é preciso ausentar-se para que o livro venha à tona. Entre presença e ausência, a obra nasce.
   Um escritor é um ser ambivalente. Para realmente ser, é aquele que se torna criador e criatura ao mesmo tempo. Ele executa e é fruto do trabalho.
   A escrita é um modo de construir desconstruindo, de reinventar e explorar, de partir do conhecido para o desconhecido e realizar descobertas.
    Escrever é morrer para poder nascer. A arte da escrita é o trânsito entre a vida e a morte. É uma afirmação da existência.

  ( Google imagens)
   

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial