segunda-feira, 23 de março de 2015

Poema: DOADORES DE OSSOS

Doei
todos os meus ossos,
dissolveram-se
as carnes,
num beijo líquido,
no ventre da terra.

Se ossos tivesse,
outro seria o beijo,
mas continuaria,
a terra,
a parir
 seus amores fúnebres.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial