quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

AUTOR CONVIDADO

Alguns poemas de autoria de Lourença Lou. Ela publicou o livro Equilibrista pela Editora Penalux.

amar: advérbio de modo

inevitável
perambular sem rótulo
à beira do pop
escutando blues

inevitável
perder-se no rock
do amor inventado
cazuzando azuis

inevitável
dissociar sem dor
o eu do nós

(evitável
permanecer casmurro
sonhando capitu)
à janela do quarto de dormir 

devorando vazios
esqueço-me
numa espera inexistente

lá fora
a madrugada geme
a solidão da rua

nada há
além do silêncio
que se instalou na memória

alguns dias
não foram feitos para nascer


herdeiros do amanhã

pensava que caminhar
era só uma questão
de entender-se com os pés

descobri
que caminhamos
para evitar o
desentendimento
entre os saltos e os tombos

seguir em frente
é romper com o medo das
manhãs









0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial