terça-feira, 27 de setembro de 2016

Carte de Adolfo Bioy Casares a Jorge Luis Borges

   
                                                                                                            Amigo,

 Bem sei que não mais você  próprio lê as suas cartas,mas estou ciente de que possui quem as leia, traduzindo cada sinal,sílaba e palavra em sons e que poderá,assim,convertê-los em imagens suas,muito  particulares,com peculiaridades somente possíveis  às suas idiossincrasias, e, uma vez tendo feito isso, esta minha carta simplesmente deixará de existir, transmutada em indefiníveis hieróglifos e arcaicas escrituras, incompreensíveis aos outros,todavia perfeitamente claras apenas para si mesmo.
   Sei,portanto,que esta carta perderá por completo o sentido para mim, nunca tendo obtido signficado algum para o ser intermediário que a lerá  para você e que Adolfo terá alquimicamente transmigrado para Borges.
   Isso quer dizer o seguinte: esta carta não existe,portanto jamais poderá ser lida por alguém,ou seja,nunca a receberá, obrigando-me,enfim,a tentar escrevê-la. Caso contrário, acabaria por tornar-me um sonho de Borges.

                                                                                                    Atenciosamente,
                                                                                                   Adolfo Bioy Casares.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial