sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Poema: Caverna-Capela (Altamira- Sistina)

Onde a cavidade mora
um homem mira
nascendo carícia
ou certa astúcia
do que repara
a coisa pura:
outra coisa
será a lousa
- quando riscada
é face invertida:
se tem inconstância
a consistência
conta-se no engendrado
a metade e o dobrado


0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial