segunda-feira, 5 de junho de 2017

Poema

  

 Nos reparos do nada, ainda o sol.
   Cru sobre os frutos.
   Frutos, quem os come? quem os molda?
   Frutos e vermes em alinho sobre a terra num cardume de raízes.
   Frutos, a vastidão do que povoa o mundo.
   Mundo, movimento.



0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial