sábado, 20 de maio de 2017

Livraria

 
A livraria era um universo e a laranja que o meu avô tinha nas mãos, o seu sol.
Entrei,como de costume, para passar a tarde toda ali.
Podia escolher o que quisesse: aventuras, mistérios,quadrinhos, mundos mágicos.
Sentei-me no canto após escolher o livro da vez e mergulhei.
Todo o restante deixou de existir.
Sim,ele permitia. Eu ficava ali quanto tempo quisesse,podia vasculhar as possibilidades oferecidas.
Fluíram os anos e continuei frequentando o lugar. A velhice das estantes e dos volumes trazendo a garantia de que o encanto perduraria para sempre.
A dor e a morte prosseguem lá fora,nas ruas, mas ali os alfarrábios, como que por milagre, ainda respiram.

(foto: Google)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial