quinta-feira, 11 de maio de 2017

Febre


A febre de existir,
a febre de consumir-se,
a insânia de viver.
Faltam músculos,
secam raízes,
porta a fechar-se.

O mundo à espreita
do que não acontece.
O humano a render-se
às avarezas do instante.
Persistir
(desistir)
é esquivar-se.

Romper
os sete selos
e ver
 refinamento e  crueza
de encontrar-se.

(foto: Cleber Pacheco)




0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial