sábado, 25 de fevereiro de 2017

Criptografia



Não leio jornais,
mas as folhas das árvores,
as areias do deserto,
o percurso da seiva e das dunas,
a corrosão das formas
destilando o ossário do vivo.
Leio,das aves,as vísceras,
a sua predisposição eólica,
a filigrana das plumas
na expansão do ignoto.
Releio os caracteres do mundo
em sua crosta mimética,
as funduras dos abismos,
a antiguidade das crateras
a escavar as veias do vivo
em ramificação e fluxo
a vislumbrar a transfusão do íntimo
ao calígrafo de tudo.

(imagem: Google)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial