sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

A Arte das Coisas

 Quando uma coisa provoca,
provoca sem ruído,
escava uma toca
e resolve o seu sentido
e então mais choca
por ter se convertido
em longo fio e roca
que anunciam um tecido
que revela como é oca
a veste com que é vestido.

Quando uma coisa revela
o seu modo combalido,
sem mais esta nem aquela
reconhece o seu sentido,
pinta uma aquarela
a partir do próprio olvido
e descobre como é bela
 a cor do desconhecido.

Quando uma coisa inaugura
o seu jeito repetido,
torna-se mais pura
para ter maior sonido,
convertendo a curvatura
em algo estendido,
preenchendo a partitura
com o ângulo perdido
em suave arquitetura
de som e de sentido. 

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial