segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Poema de Ana Akhmátova

OS MISTÉRIOS DO OFÍCIO

Não me importa o exército das odes,
Nem o jogo torneado da elegia.
Nos versos tudo é fora de propósito,
Não como entre as pessoas,me dizia.

saibam vocês,o verso,é do monturo
Que ele se alenta,sem vexame disso,
Como um dente-de-leão pegado ao muro,
Anserina,bardana,erva-de-lixo.

Grito de zanga,um travo de alcatrão,
Um bolor misterioso que esverdinha...
E eis o verso,furor e mansidão
Para alegria de vocês e a minha.

(foto: Cleber Pacheco)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial