quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Poema; DESPOJOS

Quanto represa
ou perde,
se algo guarda
ou herda,

ninguém sabe,
só pressente
o que coube
ao restante.

O ocorrido
ou o exceto
está lavrado
no inexato.

Se carente
ou circundante,
o seguinte
é o indiferente,

sem apelo
para prover
ou abalo
para negar.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial