quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Resenha


   Pela primeira vez li um romance do escritor Walter Hugo Mãe. Trata-se do livro Homens Imprudentemente Poéticos. Encantei-me desde o primeiro capítulo.
   O escritor sabe explorar maravilhosamente a capacidade expressiva da língua portuguesa, explorando suas possibilidades,nuances,poesia, beleza. Com isso cria um estilo muito peculiar, que acrescenta,diz coisas novas,realiza achados, nos sensibiliza.
   Atualmente existem muitos livros com "linguagem jornalística", para não dizer linguagem fácil,simplória, para que o leitor não tenha de pensar. Está longe de ser o caso de Walter Hugo Mãe,felizmente.
   A história ocorre no Japão. Os personagens moram próximos à Floresta dos Suicidas, que de fato existe. E os fatos se concentram em poucos personagens: Itaro, o artesão, que faz leques; o oleiro Saburo, que faz cerâmica: a criada e a irmã cega. Além de um sábio.
    Todo o livro foge do cunho realista,mas não é propriamente uma fábula. É poesia mesmo. É arte.
E trata a respeito do medo, da morte, do ódio, do amor, da existência humana e seus conflitos,dramas,precariedades.
   Trata-se de obra extremamente original,que nos fascina.
   Excelente e imperdível.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial