quinta-feira, 15 de junho de 2017

Poema




Na foz da Fronteira, o deslimite.
O maior no incluso do mínimo.
No reverso das coisas, o translúcido.
O que reverbera,anuncia.
Adiante, mares,desertos, florestas, não o excesso.
Aqui o adiante.
O limite.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial