segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Poema: NUVEM

Desfaço
a nuvem,
invento
a chuva
e com as gotas
escrevo
o volátil,
gravando
cada hiato
no intervalo
das batidas
do coração.
Faço
a nuvem,
desinvento
a chuva
e com a seca
escrevo
o árido,
gravando
cada silêncio
no ruído
dos batimentos
do não-coração.

(foto de Cleber Pacheco)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial