quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Metáfora (2)

Uma pedra à pedra
se acrescenta
e quanto mais daquela
se coloca,
menos esta aumenta.
Mesmo assim
na pedra segunda
algo cresce:
o que na primeira
 nunca aparece.
E esta pedra,
agora renovada,
cria corpo
numa outra estrada.
Mesmo sendo menos
que a pedra primeira,
é a segunda pedra
ainda mais verdadeira.
Não que seja aquela
fria e falsa,
mas falta a ela
um compasso de valsa.
Dando à outra
aquilo que já tinha,
mais clara a torna,
mais nítida é a linha.
Se não se mostra
a ninguém mais
 a pobre pedra quieta,
torna-a falante
a pedra do poeta.

(foto: Cleber Pacheco)
.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial