domingo, 15 de junho de 2014

LITERATURA E AMBIGUIDADE

   O texto literário é plurissignificativo .Portanto,é ambíguo por natureza. Alguns livros,porém, levam a ambiguidade a um nível tão intenso, que  ela se torna  a essência da obra,tornando a leitura um desafio do início ao fim,instigando a inteligência do leitor e desafiando os seus conceitos de realidade.
  Uma leitura assim torna-se muito enriquecedora e ainda mais interessante,com um fascínio próprio mantendo o verdeiro sentido da palavra mistério.Não tem de ser  um livro de mistério necessariamente.o que nem sempre garante interesse e qualidade.A palavra aqui tem um sentido mais profundo,significando,de certo modo,o resgate de aspectos não totalmente esclarecidos de nossa existência.
   Lembro de algumas histórias que considero muito interessantes neste sentido: LE RIDEAU CRAMOISI, do escritor francês Barbey d'Aurevilly , que faz parte do livro de Contos LES DIABOLIQUES.
  A VOLTA DO PARAFUSO, A FERA NA SELVA, O DESENHO DO TAPETE, de Henry James.
   O conto OS SALGUEIROS, de Algernon Blackwood.
   O conto DEPOIS ,de Edith Wharton.
   São alguns exemplos excelentes de literatura de alta qualidade que desestabiliza nossos tradicionais conceitos do que possa ser o real.
   Recomendo.
 

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial