sexta-feira, 17 de junho de 2011

PAZ




À sombra da árvore,


sento-me e abrigo


a ave em minhas mãos.

2 Comentários:

Blogger Ádlei Duarte de Carvalho disse...

Que beleza de poema, amigo!

Abraço!

27 de setembro de 2011 10:48  
Anonymous Rafaela disse...

Adorei este. Lembrei-me de você sentado sob aquela árvore no quintal da sua casa. A árvore ainda está lá? Você ainda costuma sentar-se sob o sol da tarde?
Beijos,
Rafaela

1 de julho de 2012 18:43  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial