quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

AUTOR CONVIDADO

O poema sem título a seguir é de autoria de FRANCIELI SPOHR, escritora gaúcha.

O tempo
como um urânio embrutecido em deserto alheio
(que se fantasia de beijo em lábios de colágeno
e cimento)
sorri muito
com os dentes de dentro
que todos nós perdemos.
Estraga a manteiga da manhã
com a desculpa da vida
.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial