quarta-feira, 20 de agosto de 2014

VIVER

(poema publicado no livro PEQUENO TRATADO SOBRE O GRANDE NADA & OUTRAS INSIGNIFICÂNCIAS)

O miolo do limbo aquece
e fermenta estranho pão
cujo saber esquece
receita e intenção,
num desnutrir tão vivo,
que intensamente alimenta
o morrer mais esquivo
da memória que o sustenta,
o corpo só dando guarida
às veias de boca e mão,
mão que engravida
a linha que alinha o chão,
fenda gritando "Ativo
apenas aquilo que ausenta
e,florescendo,avivo,
saciedade que se desinventa."

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial